sábado, janeiro 31, 2009

Onde moram as histórias






















Eu tinha um cachorro quando criança. Tinha, da forma como se pode ter um cachorro morando na roça. Era tão livre o "meu" cachorro, o cercado de arame não impedia as suas aventuras por matas. De vez em quando, ele voltava com o focinho espetado por espinhos. E foi assim que eu soube de um bicho esquisito, o porco-espinho. O Duque (esse era o nome) trazia um pouco do mistério da mata. E por que eu achava que o cachorro era meu? Não sei ao certo. O Duque era malhado, não me lembro como nem quando ele chegou em casa, mas nessas lacunas moram as histórias.

4 comentários:

JULIO CARVALHO disse...

é dessas
faltas-lacunas
que todo artista
cria

amigaaa...
grandes saudades
dos nossos hai-kais
(é q estive com Alice ontem)

Luyse disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luyse disse...

Sabe, eu também fui criada num lugar assim. Não sei se posso dizer que era roça, mas eu morava mesmo numa granja.
Também tive o um "Duque", assim como um Barriga [coelho] e o Carreira [uma velha tartaruga].
Saudades daquilo tudo.
:~

Lúcia Hiratsuka disse...

Julio,
Luyse,
que bom receber notícias.


bjs
Lúcia