sábado, agosto 22, 2009

O incío de Binette Schroeder

















Essa autora é nascida em 1939, na Alemanha, e seus livros foram publicados em vários países. Em 1969 ela chegou na feira de Frankfurt, na estande da North-south books com os seus projetos. E disse ao editor que se a resposta dele for "não" iria desistir. Mostrou umas obras quase prontas como picture-books e mais duas imagens que viriam a ser o seu primeiro livro " Lupinchen". Antes, ela tinha visitado várias estandes, mas ninguém olhara com atenção para dois desenhos soltos. Justamente os que esse editor gostou e pediu que voltasse com a história no dia seguinte. Ela passou a noite construindo a narrativa. E assim aconteceu a sua estréia.

Quando perguntada se teria alguma dica para os jovens, Binette diz:
" Se for um estudante, não tente mostrar tanto o seu estilo ou gosto, o melhor é experimentar de tudo e aprimorar a técnica. Durante o período de estudos, construir bem a base. Ao se formar (ela se refere à uma boa formação, pois comenta que numa das faculdades de artes que frequentou, o aprendizado foi nulo), esquecer a escola e experessar seus pensamentos e sentimentos, livremente. "

E mais um comentário dessa autora —" Eu sofri por muito tempo, era bastante complexada. Mas entedi que mostrar o meu defeito era libertar-me. Um dia, cortei o cabelo bem curto e deixei visível as orelhas enormes que eu detestava. E, aos poucos, fui me aceitando da forma como sou..." — a princípio pode parecer não ter nada a ver com elaboração de livros, escrever histórias, ilustrar... no entanto, sinto que tem tudo a ver.

A foto é da artista no seu atelier (da revista MOE, de 1988).

6 comentários:

Jean-Claude disse...

Oi Lucia, concordo com ela, precisamos revisitar a nossa infancia, com suas coisas boas e ruims..
Analisar muito estas que ñ foram muito boas, e talvez recuperar algo nelas que ficou tanto tempo escondido como se fosse um bloqueio.
Podemos transformar isto numa base criativa poderosa..
Depois, assim como num confessionário, partimos pra outra...Seguimos nosso caminho..
Bj!
JC

Renata Nakano disse...

Que legal, Lúcia! Aliás, vc já reparou como ela usa as orelhas nos livros dela? Ela moldou, e colocou algumas orelhas soltas nos livros... no meio daquele estilo todo surrealista. Aliás, lá na biblioteca tem um museu dela, com isso e muito mais...
Adorei vê-la aqui!
Beijão

Nicté disse...

Olá! De um canto a outro, vim conhecer o seu blog e o seu site.
Fiquei deslumbrada com a delicadeza que imprime em seus desenhos.
Também desenho, em um estilo completamente diferente, mas também tenho alguns com aquarela, mais calmos e suaves.
Alguns deles estão em meu blog, onde ilustro alguns poemas que eu gosto:
kitanatana.blogspot.com
Passa lá para conhecer!
Um abraço.

Tati Móes disse...

é verdade, o que somos e como nós vemos está lá em cada pincelada...

Jean-Claude disse...

Oi Lucia...
Cadê vc...
5 mêses é muito, hein..
Estou esperando novos sumiês e informações pertinentes a nossa profissão e resenhas de autores que só vc sabe ...
Vi Ponyo do Myazaki(será que é assim que escreve?)e amei!
Abs
JC

Lúcia Hiratsuka disse...

Amigos,
desculpem a falta de notícias! Mas andei com umas dores, de coluna, nos dedos, enfim, acho que os 3 últimos anos de sedentarismo estão me cobrando... enfim, tive que alterar muita coisa, para poder ilustrar, criar até ficar bem velhinha.
Um beijo grande

Lúcia